• Redação Nacional

Bahia demite Roger Machado, futebol brasileiro ja vive a epidemia de demissões de técnicos


Roger Machado não é mais o técnico do Bahia. A informação foi divulgada pelo próprio Tricolor na noite de hoje, após a derrota para o Flamengo, em casa, por 5 a 3. O auxiliar Cláudio Prates assume o comando interino da equipe enquanto o clube busca um novo treinador. A partida de hoje teve muitas falhas do sistema defensivo da equipe baiana, que ocupa o 12º lugar do Campeonato Brasileiro, com oito pontos.


Roger Machado foi demitido pelo Bahia, e isto representa a sexta troca de técnico em sete rodadas de Brasileirão. No ano passado, a sexta mudança aconteceu apenas na 12ª rodada. Dá noção do massacre das mudanças de técnico. Mais massacrado é o futebol brasileiro.


Não se trata de ser proibido demitir técnicos. É permitido. Acontece que o Brasil exagera. Na última Premier League, houve sete clubes mudando de técnico. No último Brasileirão, 17. Só três não mudaram. Já chegamos ao cúmulo de haver só o campeão sem mudar técnico, em 2017, quando Fábio Carille levou um surpreendente Corinthians ao troféu.


CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

Há décadas, reclamamos da falta de jogo coletivo no Brasil. Observamos a Europa e repetimos: é outro esporte! Virou clichê, mas parece mesmo. Pela diferença da qualidade dos jogadores que eles podem contratar e pela ausência de jogo coletivo. Pois como fazer mais times serem coesos se há trocas de treinadores em todas as rodadas?

O mais incrível é que sempre quem dá razão à mudança é o torcedor do próprio clube. Até mesmo jornalistas que torcem por um ou outro clube apoiam as mudanças no clube do seu coração. Pensamos com o fígado, não com o cérebro. Roger Machado foi demitido pelo Bahia após derrota para o Flamengo — Foto: Felipe Oliveira/EC Bahia

A experiência é um farol voltado para trás, como escreveu Pedro Nava. Mas vale olhar para ela, às vezes. No Brasileirão unificado e considerando os títulos duplicados de 1967, 1968 e 1987, houve 64 torneios e 14 campeões mudando de treinador. Se preferir de 1971 para cá, são 49 edições e 13 mudanças de técnico. Nos dois exemplos, mais de 70% dos campeões foram os que mantiveram trabalho e planejamento.

Na Liga dos Campeões, neste século, de 21 edições, só três foram vencidas por times que mudaram de treinador. Mesmo assim, não é proibido mudar. Mas quem perde com esse massacre de mudanças de técnico é a qualidade do futebol brasileiro.

Hoje, dos 20 clubes da Série A, só um tem um treinador a mais de um ano (o Grêmio, com Renato Gaúcho). Num tempo em que há muito menos espaço em campo e é necessário ter mais ensaio, a epidemia de mudanças é a prova do analfabetismo do futebol do Brasil.


Fonte: Redação, GE - PVC - Foto: Felipe Oliveira/EC Bahia


"O seu apoio mantém o jornalismo vivo. O jornalismo tem um papel fundamental em nossa sociedade. O papel de informar, de esclarecer, de contar a verdade e trazer luz para o que, muitas vezes, está no escuro.


Esse é o trabalho de um jornalista e a missão do Redação Nacional.

Mas para isso, nós precisamos de você e do seu apoio, pois juntos nós podemos, através de matérias iguais a essa que você acabou de ler, buscar as transformações que tanto queremos."

30 visualizações

Receba nossas atualizações

redacaonacional

  • Ícone do Facebook Branco
  • Ícone do Twitter Branco

© Todos os direitos reservados para Milly Comunicação e Marketing. Orgulhosamente criado por admovan criações