• Redação Nacional

Colapso: Situação se agrava no Ceará e 100% dos leitos de UTI estão ocupados


Colapso no Ceará: Como temia o Ministério da Saúde, no começo da pandemia do novo coronavírus no Brasil, o sistema de saúde de alguns estados começa a colapsar. Pacientes no Amazonas se queixam da falta de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) desde o fim de semana. O


Ceará registrou 48 pessoas na fila por vaga na UTI, ontem, antecipando em uma semana o limite das ocupações calculado pela Secretaria de Saúde do estado. Enquanto isso, São Paulo e Rio de Janeiro acendem o alerta.


Em aceleração descontrolada, o Amazonas registrou mais 165 casos de Covid-19, ontem, chegando a 1.719 casos confirmados da doença. A maioria se concentra em Manaus, com 1.459 infectados, enquanto 260 são do interior do estado. Só no último dia, foram registradas mais 18 mortes em decorrência do novo coronavírus na unidade federativa, sendo 16 da capital amazonense. São 124 óbitos no total.


Resultado triste do colapso do sistema de saúde, que já não consegue dar conta dos pacientes que procuram por assistência médica. Segundo a Secretaria de Saúde (Susam) e a Fundação de Vigilância em Saúde (FVS), há 208 pacientes internados em UTIs no Amazonas, sendo 111 na rede pública. Outras 480 pessoas com suspeita ou confirmação da doença estão internadas em leitos clínicos, sendo 39 da rede pública. 


O governador Wilson Lima anunciou a abertura de mais 45 leitos no Hospital Delphina Aziz, sendo 25 de UTI e 20, clínicos. Ele disse, também, que o hospital de retaguarda na Universidade Nilton Lins, com capacidade para 400 leitos, começa a funcionar no próximo fim de semana. 


No Ceará, a disseminação do vírus se apresenta mais acelerada do que a previsão para o momento. As vagas para UTIs se esgotaram uma semana antes do calculado pelas autoridades do estado. Com 169 pessoas hospitalizadas nesse tipo de leito, o Ceará já registrava 48 pacientes na fila de espera por UTI, na manhã de ontem, conforme comunicou a secretária-executiva de Vigilância e Regulação da Secretaria da Saúde (Sesa), Magda Almeida. 


“A pressão assistencial, independentemente dos números, é muito grande sobre os leitos de UTI, porque não conseguimos abrir todos os 800 leitos que a gente projetava. Nossos respiradores não foram entregues e estamos com muitos problemas em relação a isso. Nesse momento, apesar de não estarmos no pico esperado da epidemia, estamos com leitos de UTI em ocupação máxima”, explicou Magda.


Em São Paulo, a média de ocupação dos leitos de UTI no estado gira em torno de 60%, segundo José Henrique German, secretário estadual de saúde. A taxa pode aparentar relativa tranquilidade, mas German reconheceu que alguns hospitais no estado já apresentam gargalos. “Aqueles que estão no nosso quadrilátero, perto do Hospital das Clínicas (HC), têm 80% de ocupação”, informou. Em todo o estado, há 1.135 pacientes internados em UTIs e 1.241 em leitos de enfermaria. “Agora, os pacientes internados também devem começar a ter alta. Existe um giro de leitos, em que o cálculo que fizemos é de 15 dias de ocupação para cada leito”, completou.


Para tentar frear um possível colapso, o governo do estado de São Paulo antecipou a abertura do novo Ambulatório Médico de Especialidades (AME) de Campinas. Previsto inicialmente para o fim de abril, o local foi aberto na última segunda. Estão em funcionamento 15 leitos de clínica médica e 10 leitos de UTI para o combate da Covid-19, o que pode ser ampliado. Será o maior AME do estado.


Na capital paulista, a taxa de ocupação é maior: 65%. Mesmo com nove hospitais referenciados para o tratamento da Covid-19 na cidade, há regiões onde o sistema de saúde público está mais pressionado do que em outras. “A região leste da cidade é a de maior pressão por leitos”, afirmou Edson Aparecido, secretário da saúde da prefeitura de São Paulo. Segundo ele, ontem, três hospitais da região atingiram o limite de vagas em UTIs.

Continua depois da publicidade


Preocupação futura


No Rio de Janeiro, a taxa de ocupação nas unidades da rede estadual é de 60% em leitos de enfermaria e 74% em leitos de UTI. Os números podem não alarmar à primeira vista, mas ganham outra perspectiva ao se analisarem as mesmas taxas há dez dias: 41% e 63%, respectivamente. O estado soma 244 mortes por coronavírus. Outras 91 estão em investigação. O alerta vermelho é, principalmente, na capital fluminense, que contabiliza 2.659 dos 3.188 casos confirmados no estado. Na cidade, estão ocupadas 88,45% das UTIs da rede do Sistema Único de Saúde (SUS). Dos 616 leitos de emergência existentes, 548 têm pacientes com diferentes doenças, sendo 203 internados com suspeita ou confirmação de Covid-19. Os dados são da prefeitura do Rio de Janeiro.


"O seu apoio mantém o jornalismo vivo. O jornalismo tem um papel fundamental em nossa sociedade. O papel de informar, de esclarecer, de contar a verdade e trazer luz para o que, muitas vezes, está no escuro.


Esse é o trabalho de um jornalista e a missão do Redação Nacional.

Mas para isso, nós precisamos de você e do seu apoio, pois juntos nós podemos, através de matérias iguais a essa que você acabou de ler, buscar as transformações que tanto queremos."


Copyright © 2019, Redação Nacional. Todos os direitos reservados.

56 visualizações

Receba nossas atualizações

redacaonacional

  • Ícone do Facebook Branco
  • Ícone do Twitter Branco

© Todos os direitos reservados para Milly Comunicação e Marketing. Orgulhosamente criado por admovan criações