• Redação Nacional

Em Simões Filho Comitê de Crise, não impede a ineficiência na execução de política Sociais


Talvez fosse conveniente que, no futuro, recordássemos os valores constitucionais nos quais se deve inspirar nossa convivência. A dignidade da pessoa humana, por exemplo. De qualquer pessoa, sejam quais forem suas condições de saúde ou sua idade. Bem como a atenção especial que se deve prestar a grupos menos favorecidos ou que estejam em pior situação para enfrentar um problema concreto. Esses valores, assim como a própria Constituição, ocupam um lugar cada vez mais marginal no espaço público. 


Essa narrativa desprovida de solidariedade contrasta com o extraordinário esforço já empreendido, que continua a se realizar, por parte dos profissionais sanitários nas instituições hospitalares na luta pela vida de cada uma das pessoas afetadas que se encontram nos grupos de risco. Porém, lamentavelmente, essa narrativa desprovida de solidariedade contribuiu para gerar atitudes e pautas comportamentais que favoreceram o avanço do vírus.


EM SIMÕES FILHO


Até o momento a cidade de Simões Filho, não registrou mortes, ou infectados com o Covid19, entretanto os danos à economia e, principalmente à mobilidade social, após Decreto 172/2020, colocou em colapso os setores produtivos, na indústria, comércio e prestadores de serviços. O Comitê de Crise, não tem agilidade nas decisões e fracassa na eficácia de assistência à comunidade.


Inclusive de um ponto de vista puramente funcional, a falta de solidariedade só colheu frutos amargos. Teria sido muito melhor insistir na responsabilidade individual e na solidariedade entre a comunidade, o que, em última instância, impediria que os danos afetassem toda a sociedade e repercutissem também sobre os que não manifestam comportamentos solidários.


O propagado Comitê de Crise, não apresentou na velocidade desejada as decisões de amparo social, e de forma muito tímida, os responsáveis pelo Serviço Social, tentam amenizar a situação crítica das famílias, em vulnerabilidade social, ambulantes, permissionários do Mercado Municipal, todos estão, ainda, em compasso de espera da prometida Assistência Social. Morosidade que não combina com a gestão responsável pela 6 maior arrecadação do Estado da Bahia.


BONS EXEMPLOS, A SEREM SEGUIDOS...


SALVADOR


Efetuou a distribuição das cestas básicas para todos os alunos da rede pelo tempo que durar a suspensão da aulas. Por isso, cada família ganhará a quantia equivalente a quantidade de filhos matriculados.


O secretário municipal de Educação, Bruno Barral, esteve na Escola Municipal Hildete Lomanto, no bairro do Garcia, no momento do início das entregas, feitas diretamente ao pai, mãe ou responsável por cada estudante, ou diretamente aos alunos maiores de idade.


A distribuição obedece ao cronograma por três semanas, disponível detalhadamente podendo ser acompanhado no site da Secretaria de Educação. Desde o período entre 23 a 27 de março, seguindo de 30 de março a 3 de abril, em 189 escolas. De 6 a 10 de abril, mais 126 unidades escolares. No total, serão entregues mais de 143 mil cestas básicas.


Escola Municipal de Botelho, em Ilha de Maré, Salvador — Foto: Alan Oliveira/G1


CAMAÇARI


Visando garantir a, aproximadamente, 35 mil estudantes, que compõem a rede pública municipal de ensino e as creches comunitárias credenciadas, o acesso à merenda escolar durante o período de suspensão das aulas – uma das medidas adotadas para impedir a disseminação do novo coronavírus na cidade – a Prefeitura de Camaçari anunciou, nesta quinta-feira (26/3), a criação do Cartão Merenda.


A implementação desta iniciativa reconhece o quanto a alimentação escolar é importante para muitas famílias carentes do município, visto que é um complemento essencial nas refeições diárias das crianças. O formato da concessão do benefício para cada aluno, por meio de seu representante legal, será através de um cartão magnético no valor de R$45, mensais. Desta forma, o governo ainda visa evitar aglomerações e manter o isolamento social.

O Cartão Merenda será destinado exclusivamente à aquisição de mercadoria do gênero alimentício e poderá ser usado no comércio de bairro. Para além de garantir a alimentação dos alunos, o que é a finalidade direta da medida, garantirá também a circulação de dinheiro no mercado interno em todo o município.


Para que tal ação se torne possível, o governo municipal investirá uma significativa soma, proveniente de recursos próprios, sobre o valor mensalmente repassado pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), através do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), que é de aproximadamente R$ 300 mil, uma vez que para conceder o benefício será necessária uma quantia superior a R$1,5 milhão, por mês.


A Prefeitura de Camaçari, através da Secretaria do Desenvolvimento Social e Cidadania (Sedes), informa à população que a entrega da Cesta de Páscoa está garantida. Todos os beneficiários, que atendem aos critérios estabelecidos, irão receber o benefício. No entanto, não será necessário apresentar cupom.


A Sedes avisa ainda, que o prazo de entrega das cestas será ampliado para que seja preservada a saúde e bem-estar das pessoas em relação ao novo coronavírus.

"O jornalismo tem o papel de informar, de esclarecer, de contar a verdade e trazer luz para o que, muitas vezes, está no escuro.


Esse é o trabalho de um jornalista e a missão do Redação Nacional.


Mas para isso, nós precisamos de você e do seu apoio, pois juntos nós podemos, através de matérias iguais a essa que você acabou de ler, buscar as transformações que tanto queremos."


Copyright © 2019, Redação Nacional. Todos os direitos reservados.


112 visualizações

Receba nossas atualizações

redacaonacional

  • Ícone do Facebook Branco
  • Ícone do Twitter Branco

© Todos os direitos reservados para Milly Comunicação e Marketing. Orgulhosamente criado por admovan criações