• Redação Nacional

Lava Jato: Por ‘saúde da família’, Deltan deixa a Lava Jato Aras terá pupilo à frente da operação

Após anos de atuação na Lava Jato, que levou à prisão e aos bancos dos réus alguns dos mais poderosos nomes do Executivo e do Legislativo no país, o procurador da República Deltan Dallagnol vai deixar a força-tarefa da operação, que comanda desde o início das investigações, em 2014.

O motivo alegado é ter mais tempo para cuidar da saúde da família, segundo procuradores próximos. Em seu lugar, deve assumir o procurador Alessandro José Fernandes de Oliveira, que atualmente faz parte do grupo de trabalho da Lava Jato da Procuradoria-Geral da República (PGR), chefiado pela subprocuradora-geral Lindôra Maria Araújo. Ela é uma das principais aliadas do procurador-geral da República, Augusto Aras.


A troca deve ser oficializada ainda nesta terça-feira, 1º. Deltan postou um comunicado em seu perfil no Twitter explicando os motivos de sua saída da força-tarefa.

O pedido de Deltan para deixar a Lava Jato foi protocolado nesta segunda-feira, 31, no MPF-PR. A permuta deve ser confirmada após as 17h, quando encerra o prazo para contestações ao procedimento interno. Se nenhum imprevisto surgir, Deltan assumirá o posto original de Alessandro no Ministério Público Federal (MPF) do Paraná — a atuação na PGR é uma designação temporária.


Em nota oficial, a força-tarefa confirmou as tratativas para a substituição de Deltan Dallagnol por Alessandro Oliveira.


A saída de Deltan se dá em um momento de expectativa sobre a continuidade da força-tarefa da Lava Jato. Na semana passada houve um pedido de prorrogação das cessões (empréstimos) de procuradores à equipe. O prazo para a renovação do grupo vence no dia 10 de setembro, e a PGR ainda não tomou uma decisão.


A atuação do coordenador da principal operação contra corrupção no País tem sido alvo de diversas contestações no Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), órgão que fiscaliza o trabalho dos procuradores. Denúncias feitas por políticos como Kátia Abreu (PDT-TO) e Renan Calheiros (MDB-AL) pediam seu afastamento do caso. Contudo, o procurador vinha relutando a deixar a Lava Jato.


“Qualquer um de nós teria saído antes na situação do Deltan. Por que trabalhar na LJ não é um exercício fácil. Todos nós temos que dedicar esforço extra para continuar trabalhando. Não havia como compatibilizar a Lava Jato com questões de saúde da família”, disse o procurador-regional da República Januário Paludo, que integra a Lava Jato.


A informação sobre a saída de Deltan da equipe foi antecipada pela CNN Brasil.


A força-tarefa de Curitiba também tem sido alvo de Aras, que já disse ser preciso uma “correção de rumos” na operação para evitar o que chama de excessos. O procurador-geral foi ao Supremo Tribunal Federal exige acesso ao banco de dados da operação, que contém informações sigilosas sobre os investigados. A investida, porém, foi barrada pelo ministro Edson Fachin, relator do caso na Corte.


No ano passado, a imagem de Deltan sofreu desgaste após ter diversas mensagens via aplicativo de celular expostas pelo site The Intercept Brasil. O episódio, batizado de Vaza Jato, mostrou que ele mantinha contato frequente com o então juiz da operação, Sérgio Moro, com quem trocava informações sobre o caso. As conversas levantaram suspeitas sobre uma possível imparcialidade do magistrado ao julgar os processos relacionados à operação. Eles negam a autenticidade das mensagens divulgadas.



Apoio e alternância


A força-tarefa da Lava Jato afirmou, em nota, que “Deltan desempenhou com retidão, denodo, esmero e abnegação suas funções, reunindo raras qualidades técnicas e pessoais”. “A liderança exercida foi fundamental para todos os resultados que a operação Lava Jato alcançou, e os valores que inspirou certamente continuarão a nortear a atuação dos demais membros da força-tarefa, que prosseguem no caso”, diz a nota.


O procurador Robson Pozzobon, colega de trabalho de Deltan, também destacou o trabalho do chefe da força-tarefa: “Deltan Dallagnol fará muita falta na força-tarefa Lava Jato. Sua imensa contribuição ao caso fez toda a diferença.‬ Agora o importante é que se dedique ao máximo a sua família.‬ Mais uma vez, acerta em sua escolha e tem nosso total apoio e admiração”, afirmou em seu perfil no Facebook.


O ministro Sérgio Moro, que já defendeu Deltan em ‘ataques’ à Lava Jato também se manifestou sobre a saída do procurador do comando da operação em Curitiba: “Parabenizo o Procurador Deltan Dallagnol pela dedicação à frente da Força Tarefa da Lava Jato em Curitiba, trabalho que alcançou resultados sem paralelo no combate à corrupção no País.


CONTINUA APÓS PUBLICIDADE


Apesar de sua saída por motivos pessoais, espero que o trabalho da FT possa prosseguir.”

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que é boa a saída de Deltan Dallagnol para haver ‘alternância’. “Acho que a alternância foi boa e, se a decisão foi pessoal, melhor, para que não fique polêmica em relação à saída dele. Não é possível que, entre tantos procuradores, não tenham outros que tenham a qualidade dele, que tenham a dedicação que ele teve à frente de uma área que foi tão importante para o Brasil nos últimos anos”, disse Maia.


Foto: Divulgação / Ministério Público Eleitoral


Quem é Alessandro Oliveira, que deve assumir a força-tarefa da Lava Jato


Alessandro Oliveira, 40 anos, nascido em Curitiba, ingressou no Ministério Público Federal há 18 anos. Ele entrou no MPF do Paraná em 2012. Antes de integrar a equipe de Lindôra, o procurador já trabalhou no grupo de trabalho da Lava Jato na gestão da ex-procuradora-geral Raquel Dodge e é especialista em colaborações premiadas.


Antes de entrar para a área de investigações criminais, atuou como procurador regional Eleitoral no Estado do Paraná entre 2013 e 2017. Oliveira é mestre em Direito das Relações Sociais pela UFPR, é professor em disciplinas com ênfase no Direito Criminal e Processual Penal desde 1996 e docente nas disciplinas de persecução patrimonial e administração de bens na Escola Superior do Ministério Público da União.


Alessandro é o procurador mais antigo na Procuradoria da República no Paraná que aceitou a permuta com Dallagnol. Entre os colegas, é visto como um procurador com bom conhecimento técnico e teórico, além da experiência na Lava Jato em Brasília (PGR).


“Alessandro é um bom procurador e temos confiança no trabalho dele”, afirmou Paludo.

Procuradores da força-tarefa dizem acreditar que Alessandro vai se empenhar ao máximo para manter o ritmo de trabalho e todos os resultados da operação.  Em vídeo, Deltan disse que ele é um procurador competente, além de ser ‘colaborador da Lava Jato’.


Fonte: Redação, Agência Estado


"O seu apoio mantém o jornalismo vivo. O jornalismo tem um papel fundamental em nossa sociedade. O papel de informar, de esclarecer, de contar a verdade e trazer luz para o que, muitas vezes, está no escuro.


Esse é o trabalho de um jornalista e a missão do Redação Nacional.

Mas para isso, nós precisamos de você e do seu apoio, pois juntos nós podemos, através de matérias iguais a essa que você acabou de ler, buscar as transformações que tanto queremos."

34 visualizações0 comentário

Receba nossas atualizações

redacaonacional

  • Ícone do Facebook Branco
  • Ícone do Twitter Branco

© Todos os direitos reservados para Milly Comunicação e Marketing. Orgulhosamente criado por admovan criações

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now