• Redação Nacional

Simões Filho: Gestão precária explica baixo Ideb

Atualizado: 19 de ago. de 2019


Até a semana passada, os alunos da Escola Municipal Maria Quitéria, localizada na cidade de Simões Filho, Região Metropolitana de Salvador (RMS), tomavam água de um cano, pois o bebedouro não funcionava. Faltam professores de ciências e inglês. Para que as provas da última unidade fossem executadas, os professores precisaram fazer vaquinha para comprar papel. Situações do tipo talvez ajudem a explicar o fato de esta ser a unidade escolar com a pior nota no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) da cidade.

E também podem apontar por que Simões Filho, assim como a escola, assumiu o último lugar no ranking dos piores. O município teve o mais baixo resultado no Ideb em 2017: média de 3,6.

Os números da Maria Quitéria revelam um equipamento disfuncional. Nos anos finais do ensino fundamental (1º ao 6º ano), seu Ideb foi de 1,9 em 2017, contrariando uma meta de 4,2 prevista para aquele ano.


Dos 51 alunos que fizeram a Prova Brasil, cujo resultado é usado para calcular o indicador, que mede a qualidade do ensino, nenhum demonstrou aprendizado adequado em matemática, de acordo com dados da plataforma QEdu. Em português, apenas 7% dos discentes demonstraram proficiência em leitura e interpretação de textos.

No resto da cidade, os anos finais, assim como nacionalmente, são o nó a ser desatado. Desde 2009, não se atinge a meta para esta etapa do fundamental. No entanto, nos anos iniciais, a situação é mais tranquila. Simões Filho conseguiu bater a meta de 2017 nos anos iniciais (1º ao 5º), com nota 4,5.


Números da educação


35% - Proporção de alunos que aprenderam português adequadamente nos anos iniciais 

11% - Proporção de alunos que aprenderam português adequadamente nos anos finais

17% - Proporção de alunos que aprenderam matemática adequadamente nos anos iniciais

2% - Proporção de alunos que aprenderam matemática adequadamente nos anos finais

Do ponto de vista de recursos para a educação, a cidade não parece estar desassistida. Seu valor mínimo investido por aluno é o 12º maior em todo o estado, de R$ 4.037,59.

Municípios com valor médio e população menores e mais distantes de Salvador, como Paulo Afonso e Luís Eduardo Magalhães, ostentam notas melhores no Ideb.


De acordo com Heliete Mota, superintendente pedagógica da Secretaria Municipal de Educação (Semed), a redução do déficit de professores e uma intervenção pedagógica baseada nas competências e habilidades de aprendizagem estabelecidas no Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) foram as principais ações para tentar de reverter a situação no município.


"Tivemos o cuidado de preencher essas vaga deficitárias dos professores. Antes, o contrato Reda era finalizado no mês de dezembro e novas contratações eram feitas em março. Decidimos manter estes contratos para que não tivesse uma interrupção, uma descontinuidade no processo educativo", explicou a superintendente pedagógica.

"Elaboramos um projeto de intervenção pedagógica baseado nos descritores do Saeb, com avaliação diagnóstica que começa a ser aplicado esta semana", completou.

A superintendente também informou que serão feitos três simulados até a data da Prova Brasil, que ocorrerá entre os dias 21 de outubro e 1º de novembro. Aulas de reforço de português, matemática e ciências serão ministradas por estagiários nos turnos opostos aos das aulas regulares.


Matriz curricular


A rede municipal de ensino de Simões Filho não conta com referencial curricular baseado na Base Nacional Comum Curricular (BNCC), aprovada pelo Conselho Nacional de Educação (CNE) em dezembro de 2017.


O projeto político pedagógico geral do município serve como referência para os planos das escolas. Mas a ausência de um planejamento unificado tem feito com que cada escola elabore suas diretrizes por conta própria.

A Escola Municipal de Simões Filho obteve a melhor nota no Ideb nos anos iniciais (5,4). Destaca-se por desenvolver projetos internos, que, de forma lúdica, trabalham o incentivo à leitura, a língua portuguesa e a matemática, seguindo os descritores da Prova Brasil.

Outra medida foi adotar avaliações similares à Prova desde o 1º ano. "Isso permite uma familiarização dos alunos com o modelo de prova externa. Essas ações têm dado certo, pois desde 2007 nossas notas foram acima da meta e seguem em crescimento", ressaltou a diretora da unidade escolar, Rosa Augusta.


Já na Escola Municipal Maria Quitéria, os problemas estruturais não permitem que os alunos tenham a mesma preparação. Professores apontam também falta de iniciativas da prefeitura para melhorar os índices.


“Temos um reforço que não foi pensado pela secretaria municipal, não é oficial, é organizado por nós, conforme a disponibilidade de cada professor. Problemas no sistema educacional não permitem que possamos abordar os conteúdos e habilidades como são necessários", lamentou o professor Adailson Ferreira.

Na Escola Municipal Dom Francisco Leite, que obteve a melhor nota no Ideb nos anos finais (2,9), o desafio é enfrentar a realidade da zona rural. "Os pais dos nossos alunos são feirantes, marisqueiras, operários, agricultores rurais. Aqui, nada pra gente é fácil, mas com o apoio da comunidade e com o empenho dos professores estamos fazendo o melhor", disse a diretora escolar Eliana Tranquilino.


A superintendente pedagógica Heliete Mota (**) reconheceu que o município ainda não estruturou um projeto pedagógico unitário, mas destacou que uma Coordenadoria de Polos foi instalada elaborar um plano de implementação da BNCC e contribuir para a reconstrução dos projetos políticos pedagógicos (PPPs) e dos regimentos escolares.


A escola municipal maria quitéria expõe alguns dos principais problemas que levam o município de simões filho a ter o pior ideb da região metropolitana de salvador. por lá, faltam professores, bebedouro para os alunos e até papel e piloto. além da infraestrutura deficitária, a cidade sofre com falta de diretrizes curriculares básicas para educação, entrave na tentativa de melhorar os índices disfuncionais


Fonte: A Tarde - Coluna Olhar Cidadão / Fotos: https://www.qedu.org.br


Correção Redação Nacional: (**) Heliene Mota

"O seu apoio mantém o jornalismo vivo. O jornalismo tem um papel fundamental em nossa sociedade. O papel de informar, de esclarecer, de contar a verdade e trazer luz para o que, muitas vezes, está no escuro.

Esse é o trabalho de um jornalista e a missão do Redação Nacional.

Mas para isso, nós precisamos de você e do seu apoio, pois juntos nós podemos, através de matérias iguais a essa que você acabou de ler, buscar as transformações que tanto queremos."

Copyright © 2019, Redação Nacional. Todos os direitos reservados.

60 visualizações0 comentário