Receba nossas atualizações

redacaonacional

  • Ícone do Facebook Branco
  • Ícone do Twitter Branco

© Todos os direitos reservados para Milly Comunicação e Marketing. Orgulhosamente criado por admovan criações

  • Redação Nacional

Telegram: Procuradores desativaram as suas contas em abril


O procurador-geral da República e ex-coordenador da Lava Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol, que é citado nas supostas mensagens vazadas pelo site “The Intercept Brasil”, confirmou que os procuradores desativaram suas contas no aplicativo Telegram em abril, devido aos ataques de hackers.

Deltan Dallagnol✔@deltanmdEm abril deste ano, identificamos ataques virtuais às nossas contas no Telegram. Por razões de segurança pessoal e pelo risco de comprometimento de investigações em curso, a decisão na época foi de desativar a conta - o que exclui o histórico tanto na nuvem quanto no celular. 5.95119:55 - 19 de jun de 2019Informações e privacidade no Twitter Ads

1.581 pessoas estão falando sobre isso

A força-tarefa da Operação Lava Jato no Paraná informou em nota, nesta quarta-feira (19), que vários dos integrantes vinham constatando ataques criminosos, inclusive com sequestros de identidade virtual.


“Tendo em vista a continuidade, nos dias subsequentes, das invasões criminosas e o risco à segurança pessoal e de comprometimento de investigações em curso, os procuradores descontinuaram o uso e desativaram as contas do aplicativo “Telegram” nos celulares, com a exclusão do histórico de mensagens tanto no celular como na nuvem”, informou o texto.

A força-tarefa afirmou que, assim que houve a constatação de invasões, a Procuradoria-geral da República e a Polícia Federal de Curitiba foram acionadas que orientaram a troca dos aparelhos e dos números de contato funcionais dos procuradores, uma vez que não prejudicaria as linhas investigatórias em curso


“Ainda, conforme divulgado em 14 de maio, a PGR determinou a instauração de um procedimento administrativo para acompanhar a apuração de tentativas de ataques cibernéticos a membros do Ministério Público Federal.”


Redação Nacional

0 visualização