• Redação Nacional

Tragédia: Pai de assassino de modelo tira própria vida após filho confessar crime


O pai de Rafael Fernandes Rodrigues, de 31 anos, assassino confesso da modelo e miss Manicoré Kimberly Karen Mota, 22 anos, cometeu suicídio após o filho confessar o crime. Segundo o depoimento de Rafael, ele ligou para Nilton Rodrigues no mesmo dia do crime. As informações são do jornal Manaus Alerta.


“Fiz merda acabei com minha vida, matei a Kimberly”, teria dito Rafael ao pai, por telefone. “Se entregue”, respondeu Nilton. No dia seguinte, o pai suicidou-se em São Paulo, onde morava.


Rafael foi preso na sexta-feira (15) como principal suspeito do assassinato. A modelo foi encontrada morta a facadas na última terça-feira (12) no apartamento dele, em Manaus. O suspeito estava escondido em uma cabana em região de mata na cidade de Pacaraima (RR), perto da fronteira com a Venezuela.


A polícia suspeita que ele estaria tentando fugir para a Espanha passando pela Venezuela. Segundo a polícia, o homem teria parentes na Espanha. Em depoimento na Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), o suspeito confessou o crime.


CRONOLOGIA DOS FATOS


Rafael Fernandes Rodrigues, de 31 anos, foi preso pela Polícia Militar de Roraima nesta sexta-feira (15) na cidade de Pacaraima (RR), fronteira com a Venezuela.


De acordo com a investigação, o servidor público entrou em Roraima na segunda-feira (11), um dia depois do registro do desaparecimento de Kimberly. A família notou que algo estava errado quando a miss deixou de responder às mensagens. A última troca de mensagens da modelo com um parente ocorreu com a mãe.


Os investigadores descobriram que Rafael estava em Roraima após o registro da entrada dele no estado na barreira sanitária montada na divisa com o Amazonas. Além disso, o carro do ex-namorado da miss foi localizado capotado na BR-174, em território roraimense.

O suspeito seguiu viagem após o acidente ao pegar carona com um caminhoneiro. Em Boa Vista, ele continuou até Pacaraima depois de contratar um taxista, informou a DEHS. A hipótese da fuga para a Espanha surgiu após a polícia apurar que o ex-namorado da modelo tem parentes no país europeu.


Kimberly era a atual Miss Manicoré, foi finalista do Miss Amazonas e cursava odontologia na Faculdade Metropolitana de Manaus (Fametro). Rafael, de acordo com a polícia de Manaus, é natural de São Bernardo do Campo (SP) e se mudou para Manaus em 2017, quando ingressou no Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região – Amazonas e Roraima (TRT11).


O assassinato


Rafael não aceitava o fim do relacionamento com a miss. “Nós acreditamos que eles tiveram alguma briga, porque eles tinham esse relacionamento que ela pôs fim. E, como ela foi morta a facadas, a gente acredita que realmente houve uma briga entre os dois e que acabou ocorrendo essa tragédia”, disse a delegada Zandra Ribeiro.


Ele é acusado de matar a miss Kimberly Karen Mota de Oliveira, de 22 anos.

Segundo a Polícia Civil, o corpo de Kimberly tinha várias perfurações e estava dentro do apartamento do ex-namorado.


Kimberly morreu no domingo (10), mas seu corpo só foi encontrado na terça-feira (12). A jovem passou dois dias sem contato e uma amiga acionou um tio, que indicou à Polícia Militar (PM) onde o ex-namorado da jovem mora, no centro de Manaus. Os militares arrombaram o imóvel e avistaram o corpo.


Rafael já foi casado e se separou recentemente da ex-esposa. Em depoimento nesta sexta (15), a ex-mulher do servidor contou aos policiais que o casamento durou cerca de dois anos e chegou ao fim há cinco meses.


“Eles se conheceram numa rede social e se casaram depois de dois meses”, afirmou. Conforme relatado, após os dois anos de relacionamento, a mulher não “aguentou [o comportamento de Rafael] e pediu a separação”. A delegada contou que, mesmo depois de conhecer Kimberly, ele ainda procurava a ex-mulher.


Rafael e Kimberly, por sua vez, se conheceram em uma boate de Manaus, mas, segundo a investigação, ele já acompanhava a miss pelas redes sociais antes de se relacionarem. “Um amigo comentou que ele não se interessava por mulheres que não tinham muitos seguidores”, contou a delegada.

" O jornalismo tem o papel de informar, de esclarecer, de contar a verdade e trazer luz para o que, muitas vezes, está no escuro. Esse é o trabalho de um jornalista e a missão do Redação Nacional. Mas para isso, nós precisamos de você e do seu apoio, pois juntos nós podemos, através de matérias iguais a essa que você acabou de ler, buscar as transformações que tanto queremos." Copyright © 2019, Redação Nacional. Todos os direitos reservados


317 visualizações

Receba nossas atualizações

redacaonacional

  • Ícone do Facebook Branco
  • Ícone do Twitter Branco

© Todos os direitos reservados para Milly Comunicação e Marketing. Orgulhosamente criado por admovan criações